MINHA TIA VANDA



Esta é a história de como vim a ingressar no mundo SM e Crossdresser. Quando minha mãe precisou ir para São Paulo trabalhar e, como eu não tinha pai, me deixou aos cuidados de uma tia, numa cidade do interior de Minas. Chamava-se Tia Vanda. Tia Vanda era uma viúva rica que nunca mais se casara porque os homens simplesmente não suportavam seu comportamento autoritário. À certa altura de sua vida, ela chegara a engravidar e seu sonho era ter uma menina, mas a gravidez não foi em frente e ela carregou essa frustação pelo resto da vida. No começo nosso relacionamento era nomal, de tia-sobrinho, embora ela tivesse um comportamento bastante autoritário. Ela não admitia que se disse não a ela e todas as suas ordens deveriam ser cumpridas à risca e com rapidez. Ela também não deixava que eu saísse para brincar com outras crianças, pois, segundo ela, eles eram péssima influência. Assim, eu vivia uma vida monótona e sem muitos amigos. Isso até o dia de meu aniversário. Embora nenhum de meus poucos colegas tivessem sido convidados, Tia Vanda achou que eu precisava de uma festa. Assim, fez um bolinho encimado por uma vela e, assim que comemos, ela me disse: - Tenho um presente para você. E me passou um pacote grande. Abri, esperando que fosse algum brinquedo. Não era. A caixa continua um conjunto feminino em cor rosa. Tinha um vestido lindo, cheio de bordados, meias rosas, sapatos e uma tiara para cabelo da mesma cor, além de calcinha de algodão, também rosa. Eu ri e perguntei para quem era o presente, mas Tia Vanda me interrompeu com um tapa: - Cale-se. A partir de agora você será uma boa menina e eu serei sua senhora. Você me obedecerá ou eu o mandarei embora daqui. Eu tremi diante da possibilidade. Tia Vanda era bem capaz de fazer algo desse tipo. Ela não se importava nem um pouco com o que os outros diziam dela. Eu não tinha nenhum parente na cidade e não sabia nem mesmo onde minha mãe estava. Na época não existia internet e só pessoas ricas tinham telefone. Desse modo, a única maneira pela qual eu tinha notícias de minha mãe era através de cartaz, mas Tia Vanda jamais me deixava ver o remetente. Desde muito pequeno eu havia sido criado trancado dentro de casa e a simples idéia de ter de me virar no mundo lá fora me dava arrepios. Nada do que Tia Vanda fizesse poderia ser pior que isso. Assim, fiquei calado, enquanto ela falava. - A partir de hoje você está proibido de me olhar nos olhos, entendeu? - Sim. - respondi, mas levei outro tapa. - Diga sim, senhora! Sua menina má! - Sim, senhora! - respondi. - Assim está melhor. Quero agora que você vista esta roupa como uma boa menina. No começo achei tudo muito estranho, mas confesso que me encantei com a maciez das meias. Elas faziam minhas pernas parecerem tão bonitas e sensíveis... O vestido era muito cheio de frufrus, o que o tornava um pouco desconfortável, mas logo me esqueci disso quando me vi no espelho. Eu estava decididamente linda. Naquela época eu não tinha um único pelo no corpo e meu cabelo era grande e anelado (na época, década de 70, era comum os garotos usarem cabelos grandes). Eu parecia uma verdadeira menina. Tia Vanda se encantou com o resultado: - Mas você está uma verdadeira menina! É maravilhoso! Só falta uma coisa... Ela pegou um estojo de maquiagem e passou um pó claro sobre meu rosto, fazendo com que minhas feições se tornassem ainda mais delicadas. Depois passou pó rosado nas minhas bochechas. Eu estava linda! Agora venha comigo, disse ela. Tenho outra surpresa para você. Eu a acompanhei até o quarto, não sem alguma dificuldade de me equilibrar no sapatinho feminino, com um pequeno salto. Tia Vanda abriu meu guarda-roupa. Minhas roupas simplesmente haviam sumido. No lugar delas havia meia dúzia de camisolas femininas e outras roupas de usar em casa, típicas de meninas. Para usar na rua havia roupas coladas e baby look, roupas que não eram femininas, mas também não eram masculinas. - A partir de agora você será a menina que nunca tive. - disse Tia Vanda. Você se chamará a si mesma no feminino e usará roupas de menina em casa. Na rua, para não termos problemas, você não usará saia ou vestido, mas também não usará roupas de meninos, entendeu? Fiz que sim com a cabeça. - Muito bem. Também os seus brinquedos foram trocados. A partir de agora, você só brincará de bonecas e casinha. Teremos de fazer um bom treinamento com você para que se comporte como uma menina educada. Amanhã começamos. Hoje você pode ficar até mais tarde brincando de boneca e se sentido linda em seu vestidinho novo. Depois vista sua camisolinha e vá dormir. Foi o que aconteceu. Excepcionalmente, pude ficar acordada até tarde, brincando de boneca. Às 11 horas, tirei meu vestido e coloquei minha camisolinha. Ela era muito gostosa de se vestir e muito delicada. Era semi-transparente e tinha um bordado nas pontas. Não tinha manga e o colarinho também tinha um lindo e delicado bordado. No dia seguinte ia começar meu treinamento.
Acordei no dia seguinte com minha tia me chamando. - Vamos, acorde, sua preguiçosa! Preciso te ensinar a preparar o café da manhã. Eu nem mesmo me lembrava de que havia dormido com a camisola e me espantei em vê-la em meu corpo. Em breve eu me acostumaria de tal forma com ela que simplesmente não conseguiria dormir se não estivesse vestida com uma. Lavei meu rosto e fui para a cozinha, onde minha tia me esperava. Ela me ensinou a fazer o café, o leite, a arrumar a mesa e a lavar as louças. Eu ainda não tinha a delicadeza de uma menina e acabei quebrando uma xícara. Minha tia ficou uma fera. - Venha cá, menina má! - disse ela, sentando-se em uma cadeira. Ela abaixou minha calcinha e me sentou de bruços sobre suas pernas. Em seguida, começou a desferir várias palmadas em minha nádegas, até que elas ficassem vermelhas. - A partir de agora você será a responsável pelo café da manhã. - disse ela. E não quero que faça coisas erradas, como quebrar louças, entendeu? - Sim, senhora! - respondi. - Muito bem. Agora vamos começar nossa lições. A primeira coisa a ser aprender para ser uma menina comportada é a se sentar. Sente-se naquela cadeira. Eu me sentei do jeito que estava acostumado, e recebi grande reprimenda. - Não. Não seja tão atabalhoada. Sente-se calmamente e mantenha as pernas juntas. Meninas direitas não abrem as pernas quando estão sentadas. E mantenha as mãos sobre as coxas enquanto estiver sentada. Seja mais delicada, ou vai receber outras palmadas. O medo de apanhar novamente fez com que eu tentasse exatamente da maneira como ela pediu. Mas era muito difícil me livrar dos antigos hábitos e precisei tentar várias vezes antes de deixar minha tia contente. Ela ficou tão satisfeita que deixou até assistir à televisão. Mas não os desenhos de super-heróis aos quais eu estava acostumada. Ela selecionou um canal que passava desenhos de meninas. Eu permaneci lá durante toda a manhã como uma menininha comportada, sentadas com as perninhas juntas e com as mãos sobre as coxas. Minha tia aproveitou que estava comportada e saiu para fazer algumas compras. Quando voltou, me mostrou a nova decoração de meu quarto. Ela havia comprado vários desenhos em plásticos da Penélope Charmosa, além de um relógio da Minie e lençóis da Penélope Charmosa. Ela também tinha trazido pantufas rosas muito bonitinhas com a cara de uma coelhinha. Eu estava começando a me acostumar com aquilo e achei as pantufas muito confortáveis. O resto do dia foi dedicado a me ensinar tarefas e modos de me comportar. Aprendi a andar como uma menina boazinha, a fazer xixi sentada e a varrer a casa. Meu avanço era sensível e minha tia se alegrava muito com isso. Quando eu cometia algum erro, o ritual da manhã se repetia: ela se sentava em uma cadeira, me chamava, abaixava minha calcinha e me colocava sobre suas coxas. Então me batia até que minhas nádegas ficassem completamente vermelhas. No começo essas pequenas surras doíam muito. Mas com o tempo eu comecei até mesmo a gostar delas, pois logo em seguida minha tinha me colocava em seu colo e afagava os meus cabelos cacheados, me beijando muito e dizendo que só fazia isso para que eu fosse uma boa menina.Passei todas as férias sem sair de casa, sendo treinada pela tia Vanda a ser uma meninha comportada, mas logo iniciaram as aulas. Na escola eu tinha de usar o uniforme de meninos, mas usava por baixo a calcinha de algodão rosa. Os meus colegas e as professoras perceberam a mudança em meu comportamento. Eu estava muito mais delicada e sensível. Alguns garotos maus começaram a me chamar de bichinha. Minha tia percebeu que seria impossível continuar meu treinamento em ambiente tão desfavorável. Assim, ela se mudou para uma outra cidade onde uma amiga dela mantinha uma escola apenas para meninas. Eu fui matriculada na escola com o lindo nome de Penélope. A partir daquele dia eu iria usar roupas femininas o tempo todo e seria tratada como uma menina como as outras de minha idade. As minha coleguinhas no começo me acharam estranha, mas nós logo fizemos amizade. Na verdade, eu logo descobri que havia outros garotos na mesma situação que eu. Flor era um garotinho ruivo cuja mãe decidira que ele deveria se transformar em menina e a dona da escola, Dona Gerda, tinha também a sua menininha de estimação: Jasmim, um garotinho loiro que ela pegara para criar desde bebê e que ela criara como se fosse uma meninha desde o primeiro ano. Eu logo fiz amizade com Flor e Jasmim e elas me ensinaram muitas coisas sobre como ser uma boa menininha. Tia Vanda estava muito feliz com meu desenvolvimento. Eu já agia como uma perfeita menininha. Além disso, sabia fazer crochê e já realizava quase todo o serviço leve da casa, como varrer e fazer comida. Eu era uma meninha muito prendada. Um dia Tia Vanda me chamou até seu quarto e disse que queria que eu dormisse com ela. Ela tinha uma cama muito bonita e larga, de modo que eu não teria qualquer dificuldade para dormir ali também. Pensei que fosse apenas dormir, mas Tia Vanda começou a me cobrir de beijos. Ela disse que estava muito satisfeita comigo e que se eu continuasse assim não iria mais apanhar. Ela começou a acariciar minhas nádegas e pediu para eu tirar a calcinha. Disse que não deveria me sentir envergonhada de ficar nua na frente dela. Eu tirei a calcinha e ela me pediu para deitar em seu colo. Ela começou então a acariciar meu bumbum, dando palmadinhas leves, que me faziam rebolar. Depois aproximou o dedo da entrada de meu buraquinho e começou a acaricia-lo. A sensação era deliciosa. Ela pegou um pouco de óleo e derramou sobre meu cuzinho e, quando percebi ela já estava com um dedo todo lá dentro. Era uma delícia e eu rebolava muito. Tia Vanda também estava muito excita e arfava emitindo pequenos sussuros. De repente ela começou a respirar mais forte e a se contorcer. De repente deu um grito. Ela havia gozado enquanto masturbava o meu buraquinho. A partir dessa noite, comecei a dormir sempre com ela, e toda noite o ritual se repetia: ela me pedia para tirar a calcinha, acariciava meu bumbum e gozava masturbando o meu grelinho. Durante o dia eu fazia os serviços da casa e ia para escola. Algumas vezes tia Vanda deixava que Flor e Jasmim viessem brincar comigo de boneca. Com o tempo eu fui crescendo e me tornando cada vez mais feminina. Tia Vanda tinha algum trabalho para raspar os poucos pelinhos que apareciam em meu corpo, mas logo resolveu isso fazendo depilação com cera quente, que durava muito mais tempo e deixava minha pele muito mais macia. Titia achou então que eu havia chegado a época de eu sair de baixo de sua saia. Ela iria arranjar uma nova dona para mim. Para isso, ela entrou em contato com uma Senhora especializada em leiloar escravos e Sissys. Na verdade, ela ganhava a vida com as comissões de tais leilões. Num dia combinado, Tia Vanda me levou de carro até uma casa muito grande. Nós fomos recebidas por uma escrava com uniforme de empregada, que nos conduziu até uma quarto. Tia Vanda tirou toda a minha roupa e me deixou sozinha, sentada em um banquinho de veludo. Eu não estava acostumada a sair de casa e me sentia muito insegura. Para piorar, o quarto tinha pouquíssima iluminação, de modo que eu mal podia ver onde estava. Depois de um longo tempo, Tia Vanda apareceu e me guiou até uma outra porta. Fui introduzida em novo compartimento que tinha como uma iluminação uma luz vinda do teto. - Vá e fique debaixo da luz. – ordenou Tia Vanda. Obedeci, mas muito constrangida. Eu logo percebera que estava em uma espécie de palco e, lá embaixo, havia várias pessoas me olhando. Elas podiam me ver em todos os detalhes, mas eu mal podia advinhar seus rostos na penumbra. Ao meu lado havia uma espécie de palanque, de onde a leiloeira, vestida com um lindo vestido preto, fazia minha descrição. - A nossa peça de hoje – disse ela – é uma Sissy que atende pelo nome de Penélope. Ela foi criada desde pequena como uma menina e é indicada para rainhas que gostam de inversão e feminilização. O primeiro lance é de 500 dólares. - 600 dólares. – disse uma voz na escuridão. Era uma mulher. - 800 dólares. – disse outra mulher. - Mil e quinhentos dólares. – retumbou uma voz. - Alguma outra oferta? – perguntou a leiloeira. O auditório ficou em silêncio por longo tempo. Então a mulher bateu o martelo na mesa e declarou: Vendida! Então comecei a ouvir passos de salto alto. Em seguida uma mulher imensa subiu no palco. Ela devia ter aproximadamente um metro e oitenta e cinco. Tinha cabelos ruivos anelados e vestia-se totalmente de preto. Tinha um olhar imponente, de quem está acostumada a mandar. Examinou-me por um longo tempo e perguntou para a leiloeira, sem desviar os olhos de minha bundinha. - Ela já mexeu no seu piupu? -Posso assegurar que ela nem mesmo nunca tocou no seu piupu. - Ótimo. Vamos fazer o casamento. Logo começaram os preparatórios para meu casamento.Eu fui levada a uma sala e preparada para a cerimônia. Duas escravas, ambas vestindo roupinhas de empregada, cuidaram de mim. Ela passaram pó em meu rosto e baton nos meus lábios. Também o meu buraquinho mereceu uma pintura de batom, para que se tornasse mais atraente. Elas me colocaram véu e grinalda e me vestiram um espartilho de tecido rosa com bolinha brancas, meias brancas e sapato de salto alto branco. Eu não vestia calcinha, de modo que meu bumbum ficava totalmente à mostra. Eu estava simplesmente linda, mas também muito nervosa e ansiosa, pois, em todas as histórias que eu lia, o casamento era sempre o momento mais importante. Quando terminaram de me arrumar, me levaram para o grande salão em que aconteceria a cerimônia. Tia Vanda estava esperando por mim e pegou em meu braço, me levando delicadamente para o altar, onde minha dona, Lady Sônia, me esperava. Ela usava uma linda calça de vinil, com botas e espartilho do mesmo material. Seu cabelo vermelho parecia fogo em meios às trevas daquele tecido negro. Fui deixada ao altar e pude perceber que a leiloeira ia celebrar a cerimônia. Dos dois lados do altar, duas velas grandes, cujos castiçais eram os buraquinhos de dois escravos. - Você, Penélope, aceita Lady Sonia como sua legítima dona? – perguntou a leiloeira. Aceita servi-la em todos os seus desejos? - Aceito. - prometi. - Promete ser uma escrava travesti boazinha e jamais pensar em usar a coisa ridícula que, por um erro da natureza cresceu entre suas pernas? - Prometo. - Promete receber os castigos das mãos de sua dona como se fossem uma benção e agradece-la por isso? - Prometo. Nisso uma escrava, totalmente nua, veio até nós, trazendo uma coleira sobre uma almofada vermelha. A coleira era de couro branco e nela estava escrito o nome de Lady Sônia e letras rosas. Minha senhora pegou a coleira e a colocou ao redor do meu pescoço, dizendo: - Esta coleira será o símbolo de que, a partir de agora, você me pertence e obedecerá todas as minhas ordens. A leiloeira olhou para mim e disse: - Pode beijar os pés de sua senhora. Ajoelhei-me e beijei as botas de Lady Sônia até que ela dissesse chega. Ela então me levantou pelos cabelos e anunciou para a assembléia: Que o casamento seja consumado! A escrava nua que havia trazido a almofada (seu nome era escrava vadia) se abaixou, formando um banco humano. Lady Sônia inclinou-me sobre aquele banco de modo que meu buraquinho ficasse totalmente visível. Ela, então, desabotoou a frente de sua calça e dali saltou um enorme membro branco, que contrastava com a roupa preta. A leiloeira se aproximou e, num ato solene, derramou óleo sobre meu buraquinho. Lady Sônia se aproximou e começou a forçar a minha entrada, sob os olhares atentos das outras senhoras e de minha tia. Eu nunca havia sido penetrada por algo mais grosso que um dedo e, a princípio, estranhei o tratamento, mas era incentivada por minha nova senhora, que nunca se cansava de dizer: - Rebola, minha cadela, rebola para engolir esse cacete com esse teu cu guloso. Obedeci sua ordem e comecei a rebolar, sob aplausos das dominadoras. Aos poucos aquele mastro foi entrando em meu ventre e comecei a sentir um prazer que jamais sentira. As noites com Tia Vanda eram boas, mas não eram nada comparadas àquilo. Eu por fim rebolava como uma rameira no cio e gemia alto, para deleite de minha Senhora. Ficamos talvez uma hora naquela posição até a leiloeira dar a cerimônia por encerrada. Então as senhoras foram brindar o casamento com um coquetel. Quanto à mim, uma corrente foi presa à minha coleira e prendida no teto. Minhas mãos e pernas foram separadas, de forma que meu corpo formasse um X. Assim exposta, fui vítima dos mais variados vexames. Algumas senhoras me batiam com um chicote curto e duro, outras se contentavam em acariciar minha bundas. As mais atrevidas, chegavam a penetrar meu buraquinho com o cabo de um chicote mais grosso. Por fim, minha nova senhora teve uma idéia que pareceu agradar a todas. Elas me prenderam a uma armação, de modo que minhas nádegas ficassem à altura de suas cinturas. Então me cobriram com um grosso pano preto, de modo que só ficasse visível a parte de meu corpo que as interessava. Ouvi minha senhora prometer um chicote novo à senhora que me violentasse por mais tempo. Acho que eram aproximadamente umas oito ou nove e nenhuma delas queria perder a competição, de modo que tive meu buraquinho importunado por horas e horas a fio. A ganhadora se divertiu comigo durante quase duas horas. No final, eu já não conseguia nem mesmo me sentar e desabei sobre o chão quando meu soltaram, para gargalhadas das senhoras presentes. Minha tia assistia a tudo e eu ficava imaginando se ela havia participado da competição. Mas logo adormeci, exausta que estava. O outro dia me reservaria ainda muitas novidades. Eu ia conhecer o castelo de Lady Sônia. Assim que terminou a cerimônia, fui levada para o castelo de minha nova senhora. Naquele dia, como estava muito cansada, minha dona deixou que eu dormisse por um longo tempo, mas assim que acordei ela me explicou como seria a rotina da casa. Além de mim e de Lady Sônia morava conosco escrava vadia, uma moça pequena, mignon, de feições delicadas, lábios grossos e vermelhos e cabelos lisos e pretos cortados a a la channel. Todos os dias eu e vadia deveríamos acordar cedo e preparar o café da manhã de nossa senhora. Então, uma de nós levaria a refeição em uma bandeja para seu quarto, enquanto a outra acordaria Lady Sônia beijando seus pés. Pouco depois de oito horas, ela saía para o trabalho e nós deveríamos cuidar da casa. Cada uma de nós ficava responsável por algumas tarefas e por vigiar a outra, em busca de qualquer erro ou displicência. A maior parte da manhã era tomada com os serviços caseiros e a feitura da comida. Durante o almoço nos era permitido sentar à mesa, mas em banquinhos especialmente preparados, em cuja base havia sido preso um enorme consolo. Era tão grande que, no primeiro dia, não consegui me sentar nele inteiro. Vadia anotou isso e contou para Lady Sônia à noite, o que me valeu uma boa surra com o chicote de cavalo. Com o tempo me acostumei e percebi que o objetivo, além de nos humilhar, era fazer com que ficássemos muito elegantes, numa posição muito reta, enquanto comíamos. Durante o verão deveríamos ficar completamente nuas, exceto pela coleira, que só poderia ser tirada com a autorização de nossa dona. No inverno usávamos roupas de empregadinha francesa, com saiote preto, espartilho também preto, meia branca e sapato de salto alto preto. Uma vez por mês, quando vadia ficava mestruada, nós éramos autorizadas a usar calcinha, mas eu também devia usar um absorvente para simular a mestruação. Vadia era proibida de tocar em sua entrada e eu não podia pegar em meu pirulitinho, exceto para higiene pessoal. A não obediência a essa regra era punida de maneira extremamente severa. À tarde tínhamos um pouco de tempo livre e podíamos ler, mas sempre livros relacionados à submissão: Justine, História de O, A Vênus das Peles... minha senhora tinha uma grande coleção desse tipo de literatura. Às cinco horas nós deveríamos nos dirigir ao banheiro e fazer nossa limpeza. Lady Sônia me ensinou a fazer enemas repetidas vezes, até que de meu buraquinho saísse apenas um líquinho limpo e sem cheiro. Então, quando estávamos limpas, pegávamos uma seringa grande e sem agulha e aplicávamos dez ML de óleo de amêndoas, que tinha a dupla utilidade de nos perfurmar e lubrificar ao mesmo tempo. Entre 6:30 e 7 horas, nossa dona chegava. Vadia, que havia sido treinada como dogwoman, a esperava no chão, de quatro, com um rabo enfiado em seu buraquinho. Assim que abria a porta, ela dava pulinhos e fazia festa, lambendo a bota de sua dona. Quanto à mim, ficava em pé, de cabeça baixa, e seguia minha senhora até o sofá para tirar-lhe as botas. Então nós ficávamos inclinadas e Lady Sônia examinava nossos buraquinhos para ver se estavam realmente limpos e sem o mínimo pelo. Em seguida, eu tirava sua roupa e a levava para o banheiro, onde providenciávamos seu banho. Depois de enxuta e vestida com uma camisola, que geralmente era branca ou preta, ela se sentava na poltrona e esperava o jantar. Vadia se agachava à sua frente, para servir de mesa, e eu servia numa bandeja. Quando terminava, ela colocava o resto na bandeja e punha no chão para que eu e vadia fizéssemos nossa refeição. Nessa ocasião nem uma de nós duas podíamos nos sentar ou usar as mãos. Depois ela mandava que nós nos limpássemos e limpássemos a sujeira que havíamos feito e então começava o interrogatório. Para me interrogar ela apertava minhas pequenas bolinhas até eu não agüentasse mais de dor e perguntava o que vadia havia feito de errado durante o dia. Para interrogar vadia, ela colocava pregadores em seu seios e os apertava tantos que eu tinha a impressão de que a coitadinha ia perder as pontas dos mamilos. Feito o interrogatório, ela iniciava os castigos, que normalmente consistiam em uma severa surra com a palmatória ou com o chicote curto. Depois ela iniciava sua sessão de prazer. Desde o primeiro momento, Lady Sônia me explicou que meu corpo não me pertencia mais e que eu, a partir de então, só viveria para dar-lhe prazer... e ela nos treinava obstinadamente para que nos tornássemos cada vez mais prazeirosas. Ela adorava ter seus seios chupados e me ensinou a fazer isso durante um tempo bastante longo. Ela gostava que o engolisse pela metade e começasse a chupa-lo como um bezerro, ou um porquinho, fazendo movimentos com a cabeça. Depois ensinou-me a chupar sua pérola. Eu deveria toma-la em minha boca e intercalar momentos lambendo-a e momentos chupando-a. De tempos em tempos, eu deveria introduzir minha língua em seu ventre, para prazer supremo de minha mestra. Assim, eu e vadia revesávamos chupando seus seios ou seu grelinho até que ela se sentisse satisfeita. Depois, quando estava disposta, ela penetrava nossos buraquinhos com seu imenso consolo de cintura. Raríssimas vezes vi Lady Sonia tocando o ventre de vadia. Seu alvo era o mesmo buraquinho que ela gostava em mim e era nela que nossa dona conseguia prazer. De tempos em tempos, ela fazia uma sessão de treinamento anal e ia experimentando a elasticidade de nossos buraquinhos com consolos cada vez maiores. Ela dizia que seu maior prazer era conseguir utilizar em nós um consolo enorme, que se parecia com uma espada e tinha, inclusive cabo. Era muito grosso e devia ter uns 70 centímetros de cumprimento. Cerca de um ano depois ela conseguiu isso comigo e realizou uma festa para comemorar o feito, mas estou me adiantando, de modo que contarei isso depois. Por enquanto, devo contar que, em um de seus interrogatórios, ela tirou de vadia a informação de que meu biluzinho estava babando e emporcalhando toda a casa. Ela percebeu que chegara o momento de eu ser ordenhada. Ela me colocou sobre uma mesa de madeira e levantou minhas pernas, de forma que meu pirulitinho e meu buraquinho ficaram totalmente à sua disposição. Ela então pegou um consolo e começou a me penetrar com ele. Como sempre eu gemia de prazer. Mas dessa vez houve algo estranho. Ela não se contentou com minha rosquinha e passou a dar uns puxões em meu biluzinho, que ainda estava muito mole. Depois de algum tempo ele soltou um leitinho grosso, que ela recolheu em um pequeno balde de metal e colocou na geladeira. Ela passou a fazer isso de 15 em 15 dias e, depois de três ordenhas, o baldinho já estava cheio. Lay Sônia, então, misturou aquele líquido grosso com arroz e me fez comer, para alegria de escrava vadia, que caçoava de mim, me chamando de comedora de porra, enquanto eu, de quatro, me lambuzava naquela mistura nojenta. Tanto fez que minha dona, desejando lhe dar uma lição, ordenou que ela também comesse da gororoba. Escrava vadia sabia o que aconteceria se não obedecesse e, obedientemente, se colocou de quatro ao meu lado e passou a comer como uma boa cadelinha. Assim, os nossos dias no castelo eram felizes e prazeirosos. Durante muito tempo não aconteceu nada de muito diferente, até que minha dona decidiu me treinar nos mistérios do dogwoman, mas isso é assunto para o próximo texto. Lady Sônia, certo dia, chegou à conclusão de que seria melhor ter duas cadelas do que uma e decidiu me treinar a ser uma verdadeira cadelinha. Ela me vestiu com um vestidinho básico e me colocou no carro, junto com vadia. Nós percorrermos a cidade e fomos parar em um sítio em um local bem distante e pouco povoado. Ela então parou o carro e me tirou, me puxando pela guia da coleira. Enquanto tirava minha roupa, me explicava as regras. - A partir de agora você deverá se comportar como uma cadelinha, entendeu? Como cadelinha, não deverá falar, apenas latir, e deverá andar de quatro e fazer suas necessidades como uma cadelinha. Vadia evidentemente já conhecia aquele lugar, pois, mal o carro parou, tirou a roupa e se colocou do lado de fora, de quatro, dando pequenos saltos de felicidade e latindo. Confesso que tive alguma dificuldade para me ambientar. Minhas mãos e joelhos delicados doíam de encontro ao chão, mas resisti bravamente e tentei imitar vadia. Lady Sônia foi nos puxando pela guia na direção da casa grande, uma casa muito bonita em estilo colonial. De lá saiu um homem forte e musculoso, que a recepcionou com um beijo na boca. - Então você me trouxe mais um cachorrinho para adestrar? – perguntou ele. - Não se deixe enganar por essa coisa no meio das pernas. Isso é uma cadelinha da pior espécie. - Vamos ver isso mais tarde. Agora temos de leva-las para o canil. Nós fomos conduzidas para o canil, que era dividido em pequenas celas. Havia alguns cachorros ali, mas a maioria era de escravos e escravas sendo treinadas. Eu fui presa em uma das celas e fiquei lá, deitada no chão, observando o comportamento dos outros, enquanto minha senhora e o treinador entravam na casa. Logo descobri como agiam. As mulheres, quando queriam fazer suas necessidades, abriam as pernas para não suja-las, os homens simplesmente levantavam uma das pernas e a escoravam em algum lugar. Eles andavam sempre de quatro e bebiam água em uma tijela usando principalmente a língua. Depois de algum tempo, Lady Sônia e o treinador saíram da casa. - Vamos ver se essa cadela não pode mesmo cruzar como um macho. – disse o treinador. E abriu uma das celas, de onde saiu uma linda escrava loira, de longos cabelos anelados e pele muito branca. Ela latiu muito bonitinho e lambeu as botas do treinador. Tinha uma coleira rosa com as iniciais do treinador, que deveria ser também o seu dono. Depois o treinador abriu a porta de minha cela e me puxou pela guia, me levando na direção da escrava. - Vamos cachorro, cruze com ela! Eu absolutamente não sabia o que fazer, mas fustigado por um chicotinho duro que ele usava em minhas nádegas, tentei algo. Muito desengonçada, me aproximei da bunda da escrava e tentei montar nela, mas meu pirulitinho simplesmente não endurecia, o que enfureceu o treinador. Ele batia, batia, batia, mas nada fazia efeito. - Você tinha toda razão... – disse ele, depois de algum tempo. É mesmo uma cadela. Nem mesmo a mais bonita cadela no cio poderia fazer essa coisa ridícula funcionar. Por coincidência, tenho aqui um cachorro no cio, mas que não posso dar a uma cachorra de verdade, pois está sendo treinado para só comer escravos. Vamos ver como se saiu depois de todo o treinamento. Dizendo isso, levou a escrava para dentro da cela. A coitadinha me olhou com olhar muito triste, pois, certamente há muito tempo não era comida por um humano. Em seguida, o treinador tirou de uma cela um enorme cão labrador. O bicho mal saiu e se aproximou de mim, cheirando meu buraquinho. Aparentemente ele estava há muito tempo sem encontrar uma cadela, ou talvez houvesse uma cadela no cio dentro do canil. O fato é que ele montou rapidamente em mim e começou a forçar meu buraquinho delicado. Nunca pensei que o membro de um cachorro pudesse ser tão grande e confesso que ele teve alguma dificuldade, mas logo começou a se mexer dentro de mim. À medida em que ele se movimentava, eu sentia um nó se formar dentro de meu cuzinho. Quando ele gozou, o nó estava tão grande que seria impossível nos separar. Tivemos de ser presos juntos na mesma cela. Parece que o cachorrinho acabou gostando de mim, pois, o tempo todo que passei lá, ele me enrabava sempre que podia. Nos intervalos entre uma foda e outra, quando eu não estava engatada nele, o treinador me levava para passear e me dava liçÕes de como ser uma cadela obediente. Eu aprendi a fazer xixi separando as pernas, como uma cadelinha, e aprendi também a fazer festinha para minha dona. No final eu havia me transformado em uma cadelinha tão perfeita que minha senhora resolveu dar uma festa para mostrar o seu novo bichinho de estimação para suas amigas. Lady Sônia resolveu que minhas novas habilidades de dogwoman mereciam uma festa. Ela nos orientou para deixar tudo de acordo com suas vontades. Foram preparados drinques e petiscos para suas convidadas. A idéia é que tudo estivesse pronto para que, na hora da festa, eu e vadia ficássemos a maior parte do tempo como cadelas. As convidadas foram chegando aos poucos e cada uma delas era recepcionada com uma verdadeira festa de cadelinhas, com direito a pulinhos, lambidas de mão e latidos de felicidade. As convidadas se divertiam jogando ossos de plástico para que fôssemos pegar. Outras riam muito nos vendo comer em tigelas. Entre as convidadas, uma se destacava. Era uma mulher alta, de cabelos compridos e lisos e muito forte. Ela provavelmente fazia musculação, pois seu corpo era quase másculo. Ela vestia uma calça de vinil preta e, presa à calça, um pênis de borracha preto. Chamava-se Lady Veronika. Lady Veronika logo se cansou da brincadeira e perguntou à minha Dona se ela lhe emprestava o escravo para que ela pudesse praticar seu esporte predileto. Seu esporte predileto era fuder com grande violência escravos feminilizados como eu. É claro que minha senhora adorou a idéia e eu fui colocada em um local apropriado, com a bunda empinada para cima. As outras senhoras abriram minha bunda e me seguraram. Foi bom que me segurassem, pois Lady Veronika penetrou meu buraquinho com tanta violência que eu quase fui jogada longe. Como era acostumada a fazer exercícios, ela fodia com grande maestria, socando seu pênis pelo meu buraquinho a dentro. Depois de algum tempo, ela decidiu gozar e apertou um botão. Como conseqüência, uma grande quantidade de líquido grosso e branco começou a jorrar de seu pau preto, inundando meu buraquinho.

Faca o seu login para poder votar neste conto.


Faca o seu login para poder recomendar esse conto para seus amigos.


Faca o seu login para adicionar esse conto como seu favorito.





Atenção! Faca o seu login para poder comentar este conto.


Contos enviados pelo mesmo autor


151782 - NO CATIVEIRO - Categoria: Fetiches - Votos: 0
151783 - NOITE DE PRAZERES - Categoria: Fetiches - Votos: 1
151784 - SÁDICA QUE SATISFAZ - Categoria: Fetiches - Votos: 0
151785 - NA FAZENDA - Categoria: Fetiches - Votos: 2
151787 - A VINGANÇA DE PRISCILA - Categoria: Fetiches - Votos: 0
151788 - SERVIDÃO ANAL - Categoria: Fetiches - Votos: 2
151790 - ESCRAVO ATE DE CACHORRO - Categoria: Fetiches - Votos: 2
151791 - O ADESTRAMENTO DE PAULO - Categoria: Fetiches - Votos: 1
151792 - FODIDO POR QUEM EU FODIA - Categoria: Fetiches - Votos: 2
151794 - INVERSÃO: TESÃO E MUITO PRAZER! - Categoria: Fetiches - Votos: 7
151795 - ENEMA - Categoria: Fantasias - Votos: 3
151796 - NO CONSULTÓRIO - Categoria: Fetiches - Votos: 3
151797 - SWING PERIGOSO - Categoria: Fetiches - Votos: 2

Ficha do conto

Foto Perfil dominadoforcado
dominadoforcado

Nome do conto:
MINHA TIA VANDA

Codigo do conto:
151793

Categoria:
Fetiches

Data da Publicação:
13/02/2020

Quant.de Votos:
1

Quant.de Fotos:
0


Online porn video at mobile phone


x esposa confessa que traiu marido com um payzudo na frente deletravetifui corno na praia de ponta negraa mulher maravilha beijando com a mulher cilarconto erotico no mato em portugalcontos eroticos papi tirando o sutian da filhinha enocentecontos eroticos de cornos bebadoscontos erotico casada mete com Poltrinhoscontos de corninho safadoirma irmao quadrinho erotico crueohantai prono em quadrinho fode o cu a focafodendo+a+buceta+da++professoraContns eroticos amarei minha irmaconto erótico de gay sexo por telefonetransei com a minha maesantinha quadrinhos conto pornocontos eróticos pepino no cuzinhoconto erotico_fui comida pelo tio do meu marido na frente deleblog+cartoon+novinho+na+zoofilia+blogFotos d mulher fantaziada d putacontos eróticos gay dei meu cuzinho para o pai do meu colegamalandro gay passivo dando o cu contoSexo com Beto Papakumato grosso do sul gay caralhudocontos eroticos dei o meu cu pro pedreiro amigo do meu paiconto erotico minha vizinha de short socado na bundaconto erotico minha namorada gosta de mostrar sua bucetaBucetas tiacontos eroticos 2017 de goiasa minha prima rabuda me deu seu cu conto eróticoscontos erótico marido deixa mulher i pro motel e ela fala como foi atrazaAjudei uma cega na rua conto eróticogorda da favela. trasadiicontos eroticos ensinando o garotinho a dirigircontos eroticos vovôs com netoscontos eroticos maes com filhos roludosquadrinhos eróticos de gays o amigo negro do meu filho parte 1historias de contos eroticosfilhaputacontocontos eroticos de novinhas de pindaerotico conto magrinha negraVadia com os Africanos contos eroticosconto erótico gemendoconto erotico casado gayconto erotico negao presidiario enraba uma senhora casada de 60 anosYoga Pelados Contomanga eroticoconto da mulher que nao aguento o pauzudogibis de sexo gays piratas do sexoesposa quer ménage masculino - históriasPorno conto eroticos minha namorada me traiu por pau grandexvedeo porno gay ponhetacontos eroticos mulheres 50tonasc.erotico virei puta do meu chefe gay[email protected]prono da liga da jutisaquadrinhos pornôs de mães juíza f****** com seu filho gayRelato mae fode-se com seu filho na praia de nudescontos com foto de bucet sendo comida incestomato grosso do sul gay caralhudobuceta da mae arreganhada tive que fodejardineiro come o filho do partrao contosconto erotico a costureiracontos eroticos guardetes noturna trepandosatisfazendo o papai brasil hentaigibi porno uma coroa muito sorcontos eroticos mae tarada filho pauzudoxvideo porno gay tocando pulheta anjos até gozaconto erotico meu amante e cruelConto erotico arrombei o cu do meu enteadoContos de desmaiei com a pica grande no meu cumeu tio pagou pela minha virgindade contos eróticosconto errotico tive que bater punheta para aliviar o vovo